Saúde do idoso

A pirâmide etária brasileira tem apresentado modificações consideráveis. Basta observar, sem maior compromisso, para perceber que a porcentagem de pessoas idosas nas ruas tem aumentado. Acredita-se que tal fato esteja acontecendo devido ao aumento da expectativa de vida. Em Juiz de Fora, particularmente, segundo Ana Paula Cupertino, doutora em Desenvolvimento Humano e Professora da Universidade Federal de Juiz de Fora, o percentual de idosos é superior ao estadual e ao nacional. Diante desta realidade, torna-se imperativo uma reavaliação e reflexão sobre as questões concernentes ao envelhecimento por todos os seguimentos sociais e profissionais. Será que as pessoas estão preparadas para lidar com o envelhecimento em todos os seus aspectos e implicações, inclusive quando diz respeito ao próprio processo de envelhecimento? Muita gente teme a chegada na terceira idade como se não fosse possível viver essa etapa da vida de forma satisfatória e prazerosa. Para Diane Papalia e Sally Olds, os 65 anos são a entrada tradicional para a terceira idade, última fase da vida, entretanto muitos adultos aos 65 anos ­ ou mesmo aos 75 ou 85 ­ não se sentem ou agem como velhos e nem, necessariamente, deixam de desenvolver atividades produtivas. Grande parte dos idosos desfruta de boa saúde física e mental, e, embora algumas habilidades possam diminuir, as pessoas física e intelectualmente ativas podem manter-se muito bem na maioria dos aspectos e até mesmo melhorar sua competência. Quando se observa bebês de uma mesma idade, poucas diferenças significativas são identificadas, entretanto quando pessoas idosas, com o mesmo tempo de vida, são observadas uma grande heterogeneidade é detectada. O processo de envelhecimento pode ser vivenciado dentro de uma gama de possibilidades que são determinadas pelas escolhas feitas pelo sujeito ao longo da vida. O estilo de vida adotado, tipo de personalidade, presença ou ausência de parceiro amoroso, vida sexual, atividade laborativa e/ou intelectual, prática de exercícios físicos, alimentação, todos esses fatores, entre outros, geram um perfil diferenciado de envelhecimento. Outro fator relevante é a constituição genética de cada um. Existe uma tendência das pessoas se preocuparem com o envelhecimento somente quando já estão vivenciando este processo. Nesta época, possivelmente, ocupar-se-ão de lidar com as limitações advindas de uma série de descuidos somados no decorrer da vida. Sendo o envelhecimento um processo inevitável é interessante que se adote uma atitude mais saudável e menos imediatista no sentido de otimizar esse processo, permitindo o desenvolvimento inclusive durante a terceira idade.
Preocupada com as questões referentes ao envelhecimento uma equipe de pesquisadores da Universidade Federal de Juiz de Fora, coordenados pela professora Ana Paula Cupertino, desenvolve o estudo PENSA ­ Processo do Envelhecimento Saudável. Este estudo visa a coleta de informações fundamentais, junto à população idosa desta cidade, investigando os aspectos sociais, emocionais e cognitivos da saúde dessas pessoas. O intuito é de favorecer a implementação de programas que viabilizem a melhora da qualidade de vida do idoso. Pretende conhecer o perfil do idoso em Juiz de Fora, possibilitando intervenções que contribuam para que o envelhecimento aconteça de forma saudável. Além disso, a UFJF possui um programa voltado para a população idosa que oferece cursos, palestras e oficinas. De acordo com os gerontologistas o limite para o ciclo da vida humana é de 110 a 120 anos. Com os freqüentes avanços na área da saúde a tendência é que cada vez mais pessoas possam atingir esse limite, sendo assim é preciso cuidar para que esse percurso seja atravessado da maneira mais satisfatória possível.

envelhecimento06.jpg   envelhecimento02.jpg 

Dieta saudável evita envelhecimento cardíaco
   

A fonte da juventude pode estar em uma dieta de baixas calorias, revelam cientistas americanos.De acordo com um estudo conduzido pela Universidade de Wisconsin-Madison uma dieta saudável e pouco calórica é capaz de manter o coração funcionando bem mesmo em idade avançada.Camundongos que receberam uma dieta pobre em gordura e açúcar apresentaram 20% menos de mudanças no ritmo dos batimentos cardíacos e no funcionamento do órgão relacionadas à idade.O chamado envelhecimento do coração é provocado por algumas alterações genéticas características de uma idade mais avançada.Caloria reduzidaUma dieta com caloria reduzida pode desativar e reprogramar alguns genes envolvidos neste processo, segundo os autores da pesquisa.

A redução de calorias também parece prolongar a vida de algumas células e fortalecer o sistema imunológico, fatores que podem provocar a alteração do tecido cardíaco.

Inúmeros estudos já haviam associado uma dieta pouco calórica à longevidade.

Tom Kirkwood, do Instituto de Envelhecimento da Universidade de Newcastle, na Grã-Bretanha, diz que é muito importante entender as mudanças que ocorrem no corpo humano e que levam ao envelhecimento do coração.

Esse novo estudo americano nos ajuda a entender melhor o processo“, garante.

A pesquisa foi publicada na revista científica Procedings of the National Academy of Sciences (PNAS), dos Estados Unidos.

Fonte: BBC

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: